Alimentação e saúde: qual a relação?

A alimentação saudável é um dos principais pilares da vida. Não é à toa que o aleitamento materno é amplamente incentivado como parte do que vai garantir a saúde do bebê. E isso ocorre porque o leite da mãe é o alimento mais balanceado na ocasião em que o bebê nasce.

No entanto, na medida em que vamos crescendo e podemos fazer nossas próprias escolhas alimentares, algumas vezes, deixamos o equilíbrio de lado, tornando as refeições calóricas demais e deficitárias em nutrientes e minerais.

Leia também: Aleitamento materno – as principais dúvidas sobre amamentação respondidas aqui

Consequências dos maus hábitos alimentares

Aumento do sobrepeso e da obesidade desde a infância, baixa imunidade e doenças associadas a maus hábitos alimentares são apenas alguns dos problemas.

Por outro lado, refeições balanceadas podem evitar problemas como:

  • Hipertensão
  • Diabetes tipo 2
  • Hipercolesterolemia
  • Osteoporose
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC)
  • Câncer
Você sabia?

Um estudo publicado em 2017 na revista científica The Lancet revelou a relação de casualidade entre hábitos de vida saudáveis, mortes e anos de vida perdidos. Para isso, foram avaliados dados de 195 países e 15 fatores de risco alimentar. Os resultados mostraram que os riscos alimentares foram responsáveis por 11 milhões de mortes no mundo. Dentre essas, 10 milhões foram provocadas por doenças cardiovasculares, 913 mil por câncer e 338 por diabetes.

Veja mais: Diabetes em tempos de Covid-19: quais são as recomendações?

O que significa ter uma alimentação balanceada e saudável?

Uma alimentação balanceada necessariamente precisa ser também variada. Isso porque alguns nutrientes só são encontrados em alguns alimentos e não em outros. Portanto, a regra é: quanto mais colorido for o prato, melhor!

Como escolher:
  • Dê preferência para alimentos in natura ou minimamente processados;
  • Se possível, escolha opções integrais de alimentos como pães, massas e arroz;
  • Lembre-se de que, além das proteínas animais, como carnes, ovos e leites, é possível obter proteínas também em leguminosas como feijões, soja, grão-de-bico e lentilha;
  • Consuma uma boa variedade de frutas e verduras pelo menos nas duas refeições principais (almoço e jantar);
  • Evite o uso de sal e açúcar em excesso, e dê preferência a temperos naturais;
  • Prefira preparações cozidas ou assadas a frituras.

Tem dúvidas sobre como criar pratos saudáveis? Conte com a gente!

Por meio do nosso Plano Multidisciplinar, você tem acesso a um serviço de Teleorientação em que pode ter contato com profissionais como nutricionista, psicólogo e educador físico, de segunda a sexta-feira, entre 7h e 19h, para receber o auxílio de que precisa. Conheça!

Gostou desse artigo? Recomende a um amigo ou continue a visita pelo blog para ver outros semelhantes.

Compartilhe agora: