“Estou com hipertensão, o que devo fazer?”
“Sinto que minha pressão caiu. Posso colocar sal na língua?”
“Minha pressão está baixa e minha vista, escura. Isso é normal?”

Quem nunca teve um episódio de hipertensão ou hipotensão arterial? Difícil dizer que ninguém jamais sofreu disso, certo? E, embora muita gente saiba que a pressão arterial considerada normal seja a famosa 12×8 (120 x 80mmHg), não é incomum ficar sem saber o que fazer quando há alguma alteração e o mal-estar aparece.

É essa falta de esclarecimento, inclusive, que faz com que dúvidas em torno da pressão arterial estejam entre os principais motivos de contato com os profissionais da nossa equipe de Teleorientação.

Diferenças entre hipertensão e hipotensão
 Hipertensão

Conhecida popularmente como “pressão alta”. Ocorre quando a pressão arterial sistólica, caracterizada pela pressão que o sangue faz ao ser bombeado pelas artérias do coração para o resto do corpo, é superior a 130mmHg. A pressão arterial diastólica (que indica o repouso do coração entre uma batida e outra), por sua vez, está acima de 90mmHg.

Considerada silenciosa, segundo a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, a hipertensão manifesta sintomas quando se eleva de forma abrupta. Entre os sintomas estão:

  • Dores no peito;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura;
  • Zumbido no ouvido;
  • Fraqueza;
  • Visão embaçada;
  • Sangramento nasal.

Quando não é hereditária, a hipertensão ocorre em razão de influências do estilo de vida, como por exemplo:

  • Consumo excessivo de sal;
  • Tabagismo;
  • Estresse;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Sedentarismo;
  • Sono inadequado.

Leia também: Você tem insônia? Entenda tudo sobre essa condição e saiba como combatê-la

Hipotensão

Ocorre quando a pressão arterial encontra-se abaixo de 90x60mmHg. No entanto, vale ressaltar que a pressão baixa não é necessariamente um problema e é comum que alguns indivíduos não apresentem mal-estar.

Por outro lado, quando a hipotensão arterial traz com ela sintomas associados, é preciso acompanhar e tratar a condição. Entre esses sinais estão:

  • Fraqueza;
  • Sonolência;
  • Dificuldade de raciocínio;
  • Tontura;
  • Suor frio;
  • Pele úmida e fria;
  • Formigamento das mãos;
  • Taquicardia;
  • Náusea e vômito;
  • Câimbras;
  • Redução da consciência.

Para saber se a queda de pressão arterial representa algum risco para o paciente, é importante entender o contexto e histórico clínico. Por exemplo, não é incomum que pessoas que tenham feito atividade intensa sob forte calor apresentem esse tipo de mal-estar mesmo sendo saudáveis.

Em outros casos, no entanto, a hipotensão pode ser sinal de um risco maior, como por exemplo:

  • Sepse;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Infarto;
  • Cirrose hepática;
  • Desidratação;
  • Hemorragia;
  • Reação alérgica severa;
  • Hipoglicemia;
  • Choque térmico;
  • Excesso de medicação anti-hipertensiva.

Leia também: Alimentação e saúde: qual a relação?

Cuidados com a hipertensão e a hipotensão

O ideal é que toda pessoa faça o acompanhamento regular da pressão arterial, com aferição médica anual, ainda que seja saudável. Nos casos em que há diagnóstico de hipertensão ou hipotensão, é necessário fazer acompanhamento específico individual e seguir as recomendações médicas.

No entanto, alguns cuidados gerais podem ser seguidos em casos emergenciais. Veja a seguir:

  1. Em situações de crise hipertensiva ou hipotensiva, mantenha repouso;
  2. Aumente a ingestão de água, pois ela ajuda a normalizar a pressão arterial;
  3. Jamais coloque sal embaixo da língua, ainda que desconfie de pressão baixa;
  4. Tenha em mente que o sal não tem efeito imediato e pode causar um pico hipertensivo depois que a pressão se normalizar;
  5. Caso já faça tratamento, jamais interrompa o uso de medicamento sem orientação médica, mesmo que esteja se sentido bem;
  6. Nunca utilize medicamentos de outra pessoa ou ofereça seus medicamentos a quem esteja com algum mal-estar;
  7. Em situações em que a alteração da pressão arterial for acompanhada de sintomas muito intensos, vale buscar ajuda profissional e, eventualmente, se dirigir ao serviço de emergência.
Compartilhe agora: