São vários os problemas que podem comprometer o sucesso de uma empresa. E uma parte deles está relacionado diretamente ao trabalhador. Isso porque questões que afetam o colaborador, como doenças físicas ou de fundo emocional, absenteísmo ou presenteísmo podem afetar não apenas a ele enquanto indivíduo, mas também aos resultados da companhia.

Entendendo o absenteísmo e presenteísmo

O absenteísmo nada mais é do que a ausência do funcionário no ambiente de trabalho (ou em tempos de home office, dedicando-se ao trabalho). Isso pode se configurar por meio de faltas, de atrasos ou de saídas, justificadas ou não. Como consequência, começam a surgir fatores que impactam negativamente tanto para a empresa quanto para o funcionário. Por exemplo:

  • Declínio da produtividade;
  • Aumento de horas extras para outros integrantes da equipe;
  • Eventual afastamento do funcionário que se abstém com frequência (caso seja por problema de saúde);
  • Custos de contratação temporária;
  • Perdas de prazos.

O presenteísmo, por sua vez, se refere ao comportamento de pessoas que estão de corpo presente no ambiente de trabalho, mas estão com a mente completamente desconectada de seus afazeres, o que leva a manifestações como:

  • Presença de erros básicos em produções do dia a dia;
  • Mudança na relação de trabalho com os colegas;
  • Queda na produtividade.

É importante compreender, no entanto, que tanto o absenteísmo quanto o presenteísmo não são questões relacionadas ao caráter do colaborador. Só para se ter ideia, a Organização Pan-Americana da Saúde considera que os transtornos mentais impactam diretamente nos ambientes de trabalho, causando o absenteísmo, por exemplo.

Como investir na saúde da sua empresa pode contribuir com a sua empresa?

Um estudo publicado em 2018 pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), indicava que, para cada dólar investido em prevenção, três seriam economizados em serviços de saúde.

Para a OCDE, a combinação entre cuidados preventivos, tratamento de quem realmente precisa e auxílio à população para que ela se torne mais ativa é uma das chaves para reduzir a sinistralidade, tornar o sistema de saúde mais eficiente, centrado nas pessoas e mais sustentável, o que se traduz em economia também para o empregador.

Para isso é necessário conscientizar sobre a importância do autocuidado e da escolha de um estilo de vida mais saudável, questões capazes, de acordo com a OCDE, de elevar a expectativa de vida, reduzir os gastos com doenças crônicas e beneficiar a todos com uma força de trabalho mais saudável e produtiva.

Qual a relação entre a sinistralidade médica e a variação dos custos?

Podemos chamar de sinistralidade a modalidade de correção feita nos valores do plano de assistência médica com base nas despesas geradas pelos usuários. Entenda!


1. Beneficiário aciona o plano
2. Cada atendimento representa um custo
3. Acúmulo do uso ultrapassa valor estipulado no contrato
4. Operadora assume o prejuízo
5. Posteriormente, repassa ao cliente o custo excedido, somado à correção monetária e ao VCMH.

A variação dos custos médicos hospitalares (VCMH) está atrelada a uma série de fatores e por isso faz tanta diferença no quanto “custa a saúde”. Veja quais são os fatores:

  • Rol de procedimentos da ANS (o que deve ser coberto pelo plano);
  • Negociação das operadoras (quanto elas pagam às redes credenciadas, por exemplo);
  • Envelhecimento da população (estima-se que até 2050 os idosos correspondam a 30%);
  • Surgimento de novas epidemias (Zika, dengue, influenza, febre amarela, covid-19);
  • Variação cambial (valor da nossa moeda);
  • Falta de gerenciamento (investimento em ações preventivas de saúde);
  • Uso inconsciente (utilização do plano de maneira incorreta).

A própria Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) reconhece que implantar ações, programas e medidas de promoção da saúde e prevenção dos riscos para o desenvolvimento de doenças contribui para reduzir a sinistralidade, o absenteísmo e, consequentemente, eleva a produtividade nas empresas e a qualidade de vida dos trabalhadores.

Quais ações podem ser adotadas para promover mais saúde nas empresas?
  • Serviços de teleorientação;
  • Plantão por diferentes canais para sanar dúvidas;
  • Orientação nutricional e psicológica;
  • Teleconsulta médica;
  • Desconto em medicamentos e exames.

Quer saber mais sobre como levar mais saúde à sua empresa? Clique aqui.

Referências:

Saúde mental no trabalho: embora continue a ser tabu, é muito importante falarmos sobre saúde mental no ambiente de trabalho; infográfico; PAHO

Absenteísmo: o que é, impactos e como diminuir nas empresas; FIA

Presenteísmo:  que é, efeitos e como evitar; FIA

Os impactos do absenteísmo na empresa; Administradores

Absenteísmo: é preciso investir em política de prevenção e buscar trabalho estratégico focado no problema; Mercer Marsh Benefícios

Promoting Health, Preventing Disease – WHO | OECD

Compartilhe agora: