Com as medidas adotadas para conter o avanço do novo coronavírus, nunca se falou tanto em teleorientação e teleconsulta. A telemedicina, por sinal, é outra prática que vinha sendo constantemente debatida a fim de que tivesse um uso ético.

Com o reconhecimento da telemedicina por parte do Conselho Federal de Medicina (CFM) durante o contexto da pandemia de Covid-19, a relação médico-paciente mudou, tornando realidade tanto a teleorientação quanto a teleconsulta.

Veja também: O coronavírus se espalha facilmente por meio de superfícies?

Sendo assim, vale compreender as principais diferenças entre as duas modalidades.

Teleorientação: como funciona?

A teleorientação tem como principal característica, como o próprio nome diz, orientar o paciente na prevenção e no tratamento, indicado previamente, de doenças.

Esse acompanhamento ocorre, comumente, por telefone e pode ser feito por enfermeiras ou médicos.

A teleorientação, no entanto, não substitui a consulta médica e o atendimento hospitalar, em casos de urgência. Isso porque não são feitos diagnósticos, receituários ou indicações de tratamentos por esse meio.

Como é o serviço de teleconsulta?

Diferente do que ocorre no serviço de teleorientação, a teleconsulta prevê o diagnóstico, a indicação de tratamento e a prescrição de medicamentos ou exames, se for o caso.

Para isso, há o agendamento da teleconsulta, como se fosse uma consulta comum, com o diferencial de, nesse caso, ser feito via Internet, telefone ou WhatsApp. No momento do atendimento, é disponibilizada uma sala para que ocorra a videoconferência, com sigilo total entre o paciente e o profissional.

Em geral, pode-se atender a queixas que vão desde alergias até sintomas como desconforto abdominal ou síndromes gripais. O receituário também é emitido de maneira eletrônica e aceito normalmente nas farmácias ou laboratórios.

Como funciona a prescrição?

A prescrição eletrônica foi liberada em função da atuação conjunta do CFM com o Conselho Federal de Farmácia (CFF) e do Instituto Nacional da Tecnologia da Informação (ITI). A partir dessa iniciativa, é possível viabilizar tanto prescrições quanto atestados médicos, que são assinados com certificado digital ICP-Brasil.

Gostou desse artigo? Ainda tem dúvidas sobre como ter acesso a Teleconsulta ou Teleorientação, veja mais na FAQ que elaboramos sobre o tema.


Referências:

Telemedicina: uma solução para atendimento à distância em tempos de coronavírus; Saúde da Saúde
https://saudedasaude.anahp.com.br/telemedicina-uma-solucao-para-atendimento-a-distancia-em-tempos-de-coronavirus/

Prescrição eletrônica; CFM
https://prescricaoeletronica.cfm.org.br/

FAQ – Saúde a Qualquer Hora
https://www.saudeaqualquerhora.com.br/faq

Compartilhe agora: