A Associação Brasileira do Sono caracteriza como insônia a “dificuldade de iniciar o sono ou se manter dormindo, sendo que o principal prejuízo é o cansaço durante o dia em razão das noites mal dormidas”. A insônia tanto pode ser passageira quanto permanente, prejudicando mais seriamente a qualidade de vida de quem sofre desse mal. Portanto, é importante compreender as causas do problema.

Principais causas

A maioria dos casos de insônia se inicia em um período de estresse maior, sendo a maior parte dos pacientes é de mulheres, idosos, pessoas psicologicamente perturbadas e com baixas condições de vida. Mas, no geral, os fatores associados são:

  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Estresse;
  • Dor muscular ou articular;
  • Uso de medicamentos;
  • Ambientes inadequados (com muito barulho, quente demais, com colchão ruim ou claridade excessiva).

Veja mais: Conheça o Saúde a Qualquer Hora e cuide do seu bem-estar!

Tipos de insônia
  • Aguda – de curta duração (menos de 3 meses);
  • Crônica – de duração persistente.
Queixas comuns entre quem sofre de insônia
  • Falta de quantidade ou qualidade do sono;
  • Dificuldade para iniciar ou manter o sono, despertar breve e dificuldade para retornar a dormir;
  • Cansaço;
  • Falta de atenção, concentração e de memória;
  • Alterações sexuais, profissional e acadêmica;
  • Irritabilidade, ansiedade e fobias (medos);
  • Sonolência durante o dia;
  • Falta de energia;
  • Acidentes no trabalho ou na condução de veículos;
  • Dores de cabeça e tensão;
  • Preocupação com o sono;
  • Ardência nos olhos.

Importante!

Quando não tratada, a insônia pode contribuir para o desenvolvimento de doenças como hipertensão e aumento do risco de infarto, depressão, ansiedade e diabetes.

Como diagnosticar o problema?

O diagnóstico da insônia é clínico. O médico faz uma avaliação especialmente para a insônia, baseado em uma série de sinais e sintomas. Um dos métodos utilizados é o teste Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh, que pode ser aplicado no consultório.

Além disso, deve ser levada em consideração a frequência de pelo menos três noites por semana, por três meses, e que cause prejuízo significativo nas áreas sociais, ocupacionais, educacionais, acadêmicas, comportamentais ou outras. O exame de polissonografia também pode ser solicitado.

Como tratar a insônia?

Apenas o médico poderá indicar um tratamento da insônia adequado de acordo com o histórico do paciente. No entanto, algumas medidas contribuem para melhoria da qualidade do sono, como:

  • Diminuir o consumo de substâncias excitantes como o álcool, cigarro e cafeína;
  • Não dormir durante o dia;
  • Não comer demais antes de ir para a cama;
  • Manter o quarto bem arejado e limpo;
  • Promover técnicas de relaxamento como acupuntura, meditação e yoga;
  • Experimentar o uso de fitoterápicos;
  • Utilizar medicamentos apenas em casos de prescrição médica.
4 dicas para promover a higiene do sono

A Associação Brasileira do Sono recomenda algumas medidas para obter um sono de mais qualidade. Entre elas estão:

  1. Evitar barulho, luz excessiva e temperaturas elevadas no ambiente de dormir;
  2. Notar o conforto da cama e do ambiente;
  3. Sair da cama quando apresentar dificuldade para retomar ao sono no tempo superior de 15 minutos;
  4. Utilizar técnicas de relaxamento antes de dormir.

Confira mais informações e dicas para você cuidar da sua saúde aqui no blog do Saúde a Qualquer Hora!

Compartilhe agora: